Boas Vindas Emergência Academias Afiliados Arte e Cultura
Boas Vindas
Emergência
Academias
Afiliados
Arte e Cultura
Cidade
Bichos
Educação
Empresa
Esportes
Eventos
Farmax
Lgbts
Mapa
Noticias
Pizzarias
Praia: Centro
Praia:Ferrugem
Praia do Rosa
Praia: Silveira
Praia: Siriú
Praia: Ouvidor
Praia: Vigia
Politica
PRO SAÚDE
Restaurantes
Romi
Tecnologia
Transportes
Tempo
Vilson Festas


 

 

 

Muito para saber sobre os GAYS:

Cerca de 300 anos antes de Cristo, uma força militar formada por 150 casais de homossexuais, conhecida como Batalhão Sagrado, fazia o chão tremer. Armados de espadas, escudos e muita bravura, eram membros da tropa de elite da cidade grega de Tebas. Temidos e respeitados tanto pelo seu povo quanto por seus inimigos, eram quase imbatíveis, pois cada soldado lutava ao lado de seu amante, sendo responsável por sua proteção. Mais de dois mil anos depois, a aparição coletiva de ¡°indivíduos com orientação sexual voltada para pessoas do mesmo sexo, entre outras combinações¡±, continua causando arrepios. Mas não pelos mesmos motivos.

Empunhando bandeiras com as cores do arco-íris, ¡°montados¡± em saltos altíssimos, fantasias extravagantes, perucas exuberantes ou simplesmente vestidos de forma convencional, um festivo batalhão composto por milhares de homossexuais (hoje identificados pela sigla GLBT ¨C gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros) invade as ruas de várias cidades do mundo uma vez por ano. Agora, como participantes das Paradas do Orgulho Gay, lutam contra a clandestinidade a que vêm sendo submetidos há séculos, desde que forças sociais, econômicas, culturais e religiosas estabeleceram os padrões ¡°normais¡± de sexualidade vigentes até hojeMas afinal, quando esse monte de gente foi obrigado a se esconder dentro do armário? Os mais antigos registros históricos encontrados por pesquisadores parecem mostrar que, do surgimento do homem no planeta até a Antiguidade, a sexualidade era vivida em suas variadas possibilidades com certa naturalidade. Foi somente com o advento do cristianismo e o surgimento das primeiras nações européias na Idade Média, que o sexo ganhou status de pecado, sendo justificável apenas para fins reprodutivos. Assim, todas as práticas sexuais que não se enquadravam nesta categoria viraram coisa do demônio. Passaram então a merecer punições, das mais leves, como a penitência, às mais ¡°definitivas¡±, como a queima em fogueira. Com a contribuição da ciência e do direito no século 19, algumas dessas práticas, como o recém-nomeado homossexualismo, conhecido até então simplesmente como ¡°relação entre pessoas do mesmo sexo¡±, passou a ser considerado também doença e crime.

Foi somente por volta dos anos 60 do século 20, com o movimento de contracultura, a revolução sexual, os avanços científicos e os progressos legais, que o homossexualismo deixou de ser considerado doença e foi descriminalizado em vários países. Conquistas que abriram espaço para um ativismo voltado para questões como o direito à visibilidade social e cidadania. Movimento que com o apoio de políticos, dos meios de comunicação, de intelectuais e de eventos, como as paradas gays, ganhou força na década de 70. Mas que com o surgimento da Aids nos
anos 80 e sua vinculação inicial aos gays, sofreu um duro golpe. Revés que fez com que muita gente fosse obrigada a se tornar invisível novamente.

Gays, que nos anos 90, puderam sair das sombras graças à diminuição do pânico em relação a Aids. E que, com poder de compra, começaram a se tornar um atraente segmento de mercado a ser explorado. O que, tanto o poder público, quanto algumas empresas mais antenadas descobriram rapidamente, fazendo surgir em um passe de mágica alguns espaços amigáveis ao público gay, além de produtos, serviços, pacotes turísticos e, lógico, muita simpatia. Atualmente a ciência se ocupa em discutir se a sexualidade humana é determinada biológica ou culturalmente. Já o direito decide se deve estender as conquistas legais da heterossexualidade aos gays ou não. Enquanto isso, é no espaço público que as batalhas mais difíceis ainda são travadas. É no dia-a-dia, nas ruas, nas escolas, nos locais destinados ao lazer, nos hospitais que todos os que tentam se tornar visíveis, sem querer no entanto se transformar em alvo, enfrentam as maiores dificuldades.

Talvez seja por isso que, ano após ano desde seu surgimento em 1970, as paradas gays no planeta todo venham ganhando proporções cada vez maiores. Pois, por enquanto, são nessas raras oportunidades que os níveis de tolerância aumentam sensivelmente mundo afora. Momentos em que outras formas de se relacionar podem ser vistas como uma realidade passível de coexistir com a dita normalidade. Sem que isso implique necessariamente na implosão da ordem social estabelecida, no final do mundo ou coisa parecida.

 O corpo: a beleza, o pecado e a doença:

A Igreja diz: O corpo é uma culpa.
A Ciência diz: O corpo é uma máquina.
A publicidade diz: O corpo é um negócio.
O corpo diz: Eu sou uma festa.

(Eduardo Galeano, escritor uruguaio)


Um dos mais antigos registros da prática sexual entre pessoas do mesmo sexo que se tem notícia é uma pintura encontrada em uma caverna da França. Nela está representado um artefato duplo que, acredita-se, era usado para a realização de sexo entre duas mulheres há cerca de 12 mil anos antes de Cristo. Já na Grécia e Roma antigas, época em que o corpo era cultuado, a representação de jovens se relacionando com homens mais velhos em pinturas, cerâmicas e esculturas era freqüente. Ela retratava a prática, socialmente aceita, de tutores mais velhos iniciarem os jovens em diversos campos do conhecimento. Longe de ser uma apologia à pedofilia, que um olhar contemporâneo poderia supor, a pederastia estava de acordo com os valores daquela sociedade. Aliás, a divisão de sexos como conhecemos hoje sequer tinha sido concebida. O que vigorava era o modelo unissexuado do corpo. Ou seja, só existia o sexo masculino com sua anatomia sexual perfeita. A mulher, por sua vez, era ¡°incompleta¡± e, segundo o conceito da época, seus órgãos sexuais eram invertidos ou projetados para dentro.

 

Foi somente na Idade Média, com o fortalecimento do cristianismo, que a noção de pecado em relação ao corpo foi introduzida. Com o início da era da supremacia da alma, o sexo virou coisa do demônio, a não ser aquele praticado com finalidades reprodutivas e conseqüentemente entre pessoas de sexo diferentes. Tudo mais que fugisse a essa regra ¨C masturbação, prazer pelo prazer, relações entre indivíduos do mesmo sexo, incesto - era considerado anormal e digno de punição através de penitências, castigos corporais, prisão, tortura ou morte. Estabeleceram-se assim as bases do padrão de conduta sexual da sociedade judaico-cristã que prevalece até hoje.

No século 19, quando a razão passou a ser o foco central do pensamento ocidental, o discurso sobre a sexualidade foi transferido para o domínio da ciência. A idéia era de que se a raça humana se diferenciava dos animais pela racionalidade, então era preciso se comportar de uma forma superior. Portanto os instintos básicos deveriam ser controlados e disciplinados. Assim as manifestações da sexualidade ¡°fora do padrão¡± passaram a ser consideradas doenças que precisavam ser curadas, adicionando-se à questão do pecado também o caráter patológico.

É nesse contexto que surge pela primeira vez a palavra homossexual em 1869. O termo, criado pelo médico húngaro Karoly Maria Benkert, passou a designar pessoas que se sentem atraídas física, emocional, estética e espiritualmente por pessoas do mesmo sexo. Daí para a transformação do homossexualismo em doença foi apenas um passo. No ano seguinte, o texto "As Sensações Sexuais Contrárias", do psiquiatra alemão Carl Westphal, passava a considerar essa nova identidade sexual como um desvio que precisava ser tratado e curado. Com esse reforço científico, o código penal alemão passou a considerar a homossexualidade como uma prática bestial.

Assim, desde sua "invenção", a definição de homossexualidade passou a englobar muitas das experiências sexuais que não estavam de acordo com a prática considerada normal. E também a personificar todo o medo que uma sociedade com rígidos padrões morais tinha de enfrentar mudanças em seus valores e instituições. ¡°Considerava-se que a então chamada ¡®inversão sexual¡¯ constituía uma ameaça múltipla: à reprodução biológica, à divisão tradicional de poder entre o homem e a mulher na família e na sociedade e, sobretudo, à manutenção dos valores e da moralidade responsáveis por toda uma ordem e visão de mundo. Essas razões levaram os saberes psiquiátricos e as leis a colocarem o homossexual no grupo dos desviantes, ao lado da prostituta, do criminoso nato e daquele que talvez fosse seu parente mais próximo: o louco¡±, segundo afirma Richard Miskolci, professor de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos.

 

A homossexualidade como comportamento:

Foi preciso quase um século para que a questão da homossexualidade começasse a ser tratada de outra forma. Em 1940, o entomologista e zoólogo norte-americano Alfred Kinsey iniciou as primeiras pesquisas sobre o comportamento sexual humano, trazendo resultados que abalaram a sociedade na época. Entre eles, de que 10% da população humana teria uma orientação homossexual. Embora controversa, esta pesquisa serviu de inspiração, entre outros fatores, para o movimento da contracultura, a revolução sexual e o surgimento dos primeiros movimentos pela descriminalização da homossexualidade e pelo reconhecimento dos direitos civis dos homossexuais nos anos 60.

 

Mas foi somente nos anos 70 que ela deixou de ser doença e passou a ser considerada simplesmente como um comportamento sexual possível entre indivíduos do mesmo sexo. Em 1973, a Associação Americana de Psiquiatria retirou a homossexualidade do Código Internacional de Doenças, abrindo caminho para que as leis punitivas fossem revistas em vários países. Embalado pela promessa de grandes mudanças sociais do período e apoiado por teóricos, políticos e pelos meios de comunicação, o movimento gay (termo criado para tentar trazer uma conotação menos negativa do que homossexual) ganhou força.

Mas com o surgimento da
Aids nos anos 80, o movimento sofreu um golpe profundo. Como os primeiros casos da doença surgiram entre os homossexuais, logo ela foi chamada de ¡°peste gay¡±, acrescentado mais um estigma à já longa lista existente. Com o avanço da doença entre os heterossexuais, no entanto, a tese caiu por terra, mas o estrago sobre a reputação já tão negativa dos homossexuais estava feito. Somente em 1990 a Assembléia-Geral da Organização Mundial de Saúde, a OMS, declarou que "a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão", determinando que psicólogos não colaborem em procedimentos que proponham seu "tratamento" e sua "cura".

Da clandestinidade às Paradas do Orgulho Gay

Até os anos 50, a vida social dos gays era totalmente clandestina. Quem se arriscava a manifestar abertamente suas preferências sexuais corria o risco de ser preso. Mas com o surgimento do movimento de contracultura na década de 60, que pregava, entre outras coisas, a liberdade sexual, a comunidade gay se animou com a possibilidade de ser finalmente reconhecida socialmente. Só que a sociedade, representada por políticos conservadores, viu neste movimento uma ameaça iminente à ordem social e intensificou a repressão que já era rotineira.

 

Incomum, no entanto, é que alguém resistisse à repressão. Por isso, quando em 1969, a polícia de Nova York invadiu o bar Stonewall Inn, freqüentado por gays, ficou surpresa com os violentos protestos que se seguiram. Cansados das perseguições e humilhações, eles se rebelaram e enfrentaram a polícia por mais de uma semana. Sinal de que algo estava mudando, o episódio se transformou em marco inaugural do movimento gay. No ano seguinte, no dia do aniversário do protesto de Stonewall, a Frente para Libertação Gay organizou uma marcha em Nova York, sendo imitada por outros grupos ativistas gays em Los Angeles e São Francisco. Essas primeiras paradas, que tinham ao mesmo tempo um caráter sério e divertido, acabaram inspirando a realização de outras manifestações ao redor do mundo.

A partir dos anos 80, no entanto, houve uma mudança no perfil das paradas. Elas passaram a ser mais organizadas, porém menos radicais, ganhando um caráter cada vez mais festivo. Renomeadas desde então como Paradas do Orgulho Gay, acontecem no meio do ano em várias cidades do mundo, em referência ao episódio de Stonewall. Apesar de manterem um pouco da proposta ativista, transformaram-se também em uma grande festa onde a música, as danças, as performances e as caracterizações, além dos eventos paralelos, atraem cada vez mais participantes, não só membros da comunidade como também simpatizantes e curiosos. Evento que quanto mais aumenta de proporção em várias cidades do mundo, mais ganha o apoio e o patrocínio de governos, entidades e empresas privadas.

Oportunidade de divulgar as reivindicações mais nobres pelas quais a comunidade gay luta, as paradas se transformaram em importantes eventos turísticos, que ajudam a movimentar um representativo mercado gay. De acordo com a revista
Brandweek, o segmento representa um gasto anual que fica entre US$ 250 e US$ 350 bilhões de dólares somente nos Estados Unidos. Sendo que, apenas o setor de viagens representa US$ 54 bilhões de dólares anuais, segundo a International Gay and Lesbian Association. Já de olho neste significativo potencial de consumo, empresas como Bud Light, Virgin America, Smirnoff, AT&T, Wells Fargo, San Francisco Toyota, Bank of America, Diet Pepsi, entre outras, já investem em eventos como a parada de São Francisco, que reúne um milhão de pessoas.

Em São Paulo, a primeira parada gay aconteceu em 1997, na Avenida Paulista, reunindo duas mil pessoas. Nos anos seguintes, o número de participantes saltou para sete mil e 35 mil pessoas. Em 2000 passou a contar também com a realização de eventos paralelos com o objetivo de estimular discussões sobre a questão da homossexualidade, atraindo 120 mil pessoas. Em 2001 e 2002, o evento dobrou de tamanho, recebendo respectivamente 250 mil e 500 mil participantes. E continuou crescendo nos anos seguintes, ganhando o título de maior parada gay do mundo em 2006, com o recorde de 2,5 milhões de participantes, segundo o livro ¡°Guinness 2007¡±.

 Inicialmente freqüentadas apenas por gays, hoje as paradas viraram uma grande festa popular. Atraem cada vez mais um público eclético, formado por jovens heterossexuais, famílias, simpatizantes, curiosos, entre outros, que vão ao evento para se divertir com a música e com a enorme variedade de tribos ou ¡°identidades¡± que a cada ano surgem dentro da genérica categoria gay. Entre elas, os transexuais, os travestis, os bissexuais, os ursos (gays obesos), os barbies (malhados e depilados), entre inúmeras outras autodenominações, que sempre contribuem para a animação da festa.

Por seu tamanho e impacto econômico crescentes, a Parada Gay de São Paulo está começando a atrair também patrocínios financeiros. Ainda sem o apoio de empresas privadas, o evento já conta com recursos do poder público, que vê a arrecadação da cidade aumentar na época do evento. Segundo uma pesquisa realizada em 2006 pela São Paulo Turismo S/A, a economia paulistana recebe um ¡°reforço¡± de mais de 200 milhões de reais a cada parada, distribuídos entre bares, cinemas, teatros, shoppings, lojas, transporte e agências de viagem.

Informe-se para entender e respeitar.
Romi

06.06.2010

 

 

 

 

O número de gays assassinados no Brasil tem aumentado nos últimos anos. Em 2007 foram 122. ¡°Depois do Brasil, o México (35) e os Estados Unidos (25) foram os países mais homofóbicos em 2009¡±, disse Marcelo Cerqueira. Os dados do GGB revelam, ainda, que entre 1980 e o ano passado foram mortos 3.196 gays no Brasil. Entre as vítimas estão padres, pais-de-santo, professores, profissionais liberais, profissionais do sexo e cabeleireiros. Do total das vítimas, 34% foram mortas com armas de fogo, 29% (arma branca), 13% (espancamento) e 11% (asfixia). Os demais 13% foram mortos por outras modalidades.

.































 

Site Map